7 de outubro de 2008

ELEIÇÕES: Milagre!!! Milagre!!! Parece que dessa vez o eleitor acordou!!!!

Os resultados das eleições municipais em Resende e Itatiaia não deveriam ser tão surpreendentes à luz da razão, porque afinal, parece que se elegeram os melhores candidatos. Mas, considerando o panorama político que vinha se desenrolando na última década, não seria exagero dizer que eles foram, realmente, uma surpresa. Surpresa principalmente para os candidatos derrotados, que acreditaram que continuar fazendo uso da máquina administrativa para obter votos seria garantia suficiente para a vitória e a continuidade no poder.
Embora não tenha tido oportunidade de acompanhar de perto, acredito que a apuração em Resende tenha sido das mais emocionantes, disputada urna a urna, e com o resultado indefinido até o último momento. Não sei se, em algum momento, a turma da situação chegou a comemorar vitória, mas não duvido. Apesar dos sintomas das últimas semanas, parece que o atual prefeito não acreditava que fosse perder. Havia a perspectiva de uma margem apertada. Mas perder?!?!?! Até sem bola de cristal sou capaz de jurar que eles não esperavam por isso.
Pelos ecos da comemoração, parece que nem o prefeito eleito e sua equipe esperavam por essa. O foguetório que costuma marcar a conclusão do pleito, dessa vez foi tímido. A chuva, aliás torrencial, não contribuiu para reunir multidões, e parece até ter acalmado os ânimos dos descontentes. A vitória apertada da oposição parece ter criado uma espécie de anti-climax. A notícia, se não ganhou o troar dos alto-falantes, correu pela cidade na base do boca-a-boca. Correu como rastilho do pólvora. Na segunda-feira pela manhã todos já sabiam, mas muitos ainda tinham dificuldades em acreditar. Como eu mesma!!!! Sinceramente, essa vitória pra mim teve gosto de milagre...
A polarização entre os dois principais candidatos foi indiscutível, e consumiu mais de 90% dos votos válidos, sendo que a votação dos demais candidatos foi irrelevante. Juntos, os dois outros candidatos – Stagi e Esch - não chegaram a 5% do total dos votos apurados. E tudo estaria dentro do previsível, se não fosse a virada promovida por pouco mais de 1000 eleitores. O que significa, afinal, que cada pequeno votinho fez uma grande diferença...
Enfim, é assim que se exerce a DEMOCRACIA. A opinião popular, dessa vez, prevaleceu sobre os interesses pessoais. Foi por pouco... mas foi. Por pouco é melhor do que por nada. O eleitor parece estar dando um basta à era da acomodação, à era do voto útil... O cidadão resolveu arriscar. Se dessa vez não acertar, pelo menos não estará incorrendo na repetição do erro. É melhor arriscar num erro novo, do que se continuar insistindo nos erros antigos.
A voz do eleitor resendense mostrou ao prefeito que não adianta mais ficar três anos ausente, e aparecer para mostrar trabalho no último ano antes da eleição. O povo já não está tão fácil de enganar. Também não adianta promover embelezamento de última hora na cidade, na ilusão de que vai continuar a enganar o eleitor desavisado. Aquela politicazinha mesquinha de antigamente, dessa vez não deu resultado. A avaliação popular mostrou que chega de politicagem, de empreguismo, e de acomodação por parte das autoridades.
Com relação à Itatiaia, a surpresa não foi tão grande, mas ainda assim foi considerável. As pesquisas, formais e informais, já mostravam o crescimento do candidato Luis Carlos Ypê, que aliás, na eleição anterior, ficou em segundo, depois de fazer “suar a camisa” do atual prefeito, que ganhou por margem relativamente pequena, naquela oportunidade. Dessa vez a administração medíocre, o nepotismo, e outras mazelas da atual administração parecem ter sido decisivas na opinião do eleitor itatiaiense, que optou pela renovação.
Os futuros prefeitos dos nossos dois municípios são políticos estreantes, sem mandatos anteriores, e vão ter a oportunidade de mostrar que a renovação, na política, é importante, senão indispensável. O eleitorado da região demonstrou uma surpreendente vitalidade, apostando nessa renovação. Vamos esperar que ambos estejam à altura da confiança que neles foi depositada. A responsabilidade de mudar os velhos hábitos da política, de concessão aos interesses econômicos em detrimento dos sociais, do pouco caso com a educação e cultura, com a saúde e com a segurança...
O eleitor, dessa vez, já fez a sua parte. Agora vamos esperar que nossos prefeitos eleitos façam as deles. Só nos resta torcer para que dessa vez a escolha tenha sido acertada. Afinal, o sucesso deles será o nosso sucesso também...
Célia Borges

3 comentários:

WML disse...

COncordo Célia, o importante é fazer com que a fila ande, se elegeu e não trabalhou, cai fora!

Abraço,
WML

Thereza Gerhard disse...

Olá, Célia,

Estou elaborando um artigo científico sobre webjornalismo colaborativo. E gostaria de enviar algumas perguntas para você. Qual o seu e-mail?

Obrigada,
Thereza Gerhard
Estudante de Jornalsimo - UBM
therezacristinag@gmail.com

Jenny Faulstich disse...

Como vc disse, torcer para o sucesso deles, pois o sucesso deles é o nosso também. Como parece ser ainda tão difícil para alguns, não pensar assim...
Bjus
Jenny