21 de abril de 2008

ITATIAIA HISTÓRICA – A história do turismo em Itatiaia (segunda parte)


A região turística de Itatiaia é dividida em três centros principais, o Parque Nacional, Penedo e a região de Visconde de Mauá, esta última integrada por Maromba e Maringá. Mas possui outros pontos de concentração hoteleira e atrações turísticas, como a estrada do Parque, a área da Fazenda da Serra e o centro do município, além de hotéis dispersos por outros bairros. No total, o município dispõe de cerca de 140 meios de hospedagem, entre hotéis, pousadas, colônias de férias e áreas de camping, segundo dados da Secretaria Municipal de Turismo, conseguindo oferecer as mais variadas opções de lazer.

Parque Nacional – O Parque Nacional do Itatiaia, onde o visitante pode usufruir do contato direto com a natureza dentro de uma área de preservação ambiental, abriga alguns dos hotéis mais antigos do município. Nos anos 20 alí já funcionava uma hospedaria famosa, a Pensão Walter, ponto de irradiação de inúmeras histórias ligadas à colonização da região. No final da década já funcionava também o Hotel Donati, o mais antigo entre os ainda existentes. E no início dos anos 30 surge o Hotel Simon, inicialmente funcionando como pousada, com o nome de Sítio Mosela, e à partir de 1938, já bastante ampliado, com o nome pelo qual é conhecido até hoje.

Fundador do Hotel Simon, o alemão Josef Simon chegou ao Brasil em 1922, com apenas 19 anos, tendo sido em seguida contratado pelo Mosteiro de São Bento para executar a poda das fruteiras em sua fazenda na região do Penedo. No ano seguinte, aproveitando um período de férias, resolveu subir a montanha, e chegando à sede da Reserva Florestal – criada em 1917 – foi-lhe servido um cafezinho pela filha do administrador, Augusto Miranda Lyra. Tudo indica que foi um caso de amor à primeira vista, pois no mesmo ano, com os recursos que lhe restavam de uma herança recebida em seu país, ele comprou um dos lotes que o governo oferecia, nos limites da reserva, e que conseguiu quitar integralmente em 1924.

Em 1927, com a casa original do Sítio Mosela já construída, ele se casou com Lyra. Tiveram os filhos José Carlos, nascido em 1928; Roberto Nelson em 1929; Norma em 1939, Haroldo em 1931 e Augusto em 1943. Em 1930 o casal já recebia hóspedes em sua casa; em 1932 Simon construiu uma cabana com 4 apartamentos e mais uma pequena casa de quarto e sala, onde passaram a receber os hospedes, muitos recomendados pelo sogro Augusto Miranda, que naquele ano havia sido transferido para a administração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Outras ampliações foram feitas nos anos seguintes, e em 1938 Simon assumiu a condição de hotel.

Muito empreendedor, Josef Simon promoveu melhorias, como a produção da própria energia elétrica, usinada à partir de 1951 com recursos locais, e que até hoje atende parte da demanda do hotel. Naquela época o Hotel Simon dispunha de 12 unidades de hospedagem, número que foi ampliado até 1976, quando chegou a 60 unidades. Além de trabalhar na propriedade, e de prestar serviços aos vizinhos nos cuidados com as plantações, Josef Simon dedicava boa parte de seu tempo a uma paixão, que o transformou num respeitado botânico amador, as orquídeas. O orquidário do Hotel Simon, hoje bastante limitado, já foi famoso por abrigar mais de 1.200 exemplares, uma das melhores coleções da região, atração para estudiosos e curiosos.

Outros hotéis surgiram posteriormente na área do Parque Nacional, como o Cabanas de Itatiaia, o Hotel do Ypê, Aldeia da Serra, Chalés Terra Nova, Pousada dos Tucanos, Hotel Vista Linda, Pousada Esmeralda, Hotel Alsene e Pousada dos Lobos, e outros além dos seus limites, como o Hotel Conora, e uma infinidade de pousadas. Assim como outros hotéis no centro do município e em outros bairros, alguns sobreviveram, outros fecharam e foram reabertos com novos nomes, motivo pelo qual é sempre importante consultar os guias turísticos atualizados, no caso de se precisar escolher um local para se hospedar.

Penedo – A tradição hoteleira do Penedo foi iniciada com os finlandeses, no início dos anos 30, quando os primeiros colonizadores, enfrentando dificuldades financeiras para quitar a compra das terras da Fazenda Penedo, e ao mesmo tempo manter os investimentos necessários para o desenvolvimento da colônia, resolveram aceitar hóspedes na casa grande da fazenda, empreendimento administrado pelo casal Aura e Erkki Lalla, que já tinham alguma experiência no setor desde a Finlândia. Os hospedes, satisfeitos com a comida e a limpeza, costumavam voltar periódicamente, e com o passar dos anos, outros finlandeses passaram a receber hóspedes, em cômodos extras construidos em suas casas. Até hoje alguns hotéis e pousadas de Penedo são de propriedade de descendentes de finlandeses, assim como restaurantes e lojas de artesanato.

A casa mais antiga construída pelos finlandeses no Penedo, e que pertenceu à família de Toivo Suni – pai da falecida historiadora Eva Hildén – embora não tenha sido usada como hospedaria pela família, é hoje sede de um dos mais pitorescos hotéis do lugar, o Vivenda Penedo. Os Suni receberam hospedes, como outros finlandeses, na segunda casa que construíram, já que a Vila de Verão, como era chamada por eles, teve que ser vendida. Depois de passar por vários proprietários, ela foi vendida para a família Xavier na década de 50, e á partir dos anos 60 passou a ser ocupada pelo casal Maria Cecília e Carlos Otávio Xavier.

Utilizada incialmente apenas como casa de campo, e depois como residência, o local foi acrescido de diversos terrenos à sua volta, o que aumentou consideravelmente a sua área, e passou a abrigar uma colônia de férias na década de 70, recebendo estudantes de colégios do Rio e de São Paulo. O sucesso da iniciativa, e a exigência dos pais dos estudantes, que também queriam se hospedar perto dos filhos, foi levando a sucessivas ampliações nas áreas externas, até que no início dos anos 80, para adaptar-se às exigências dos órgãos de turismo, foi transformada em hotel.

As paredes da casa original, assim como sua fachada, portas, janelas, teto e uma antiga escada feita artesanalmente, foram preservadas nas obras de ampliação feitas pelos novos proprietários, que conservaram também algumas ruínas na parte externa, como uma velha sauna. Preocupados em manter vivo o que consideram “o espírito finlandês” no Penedo, eles mantêm na propriedade 80% de mata, em grande parte reconstituída durante a ocupação, assim como procuraram manter muitas das arvores e traçados dos jardins originais existentes em torno da construção principal e dos chalés posteriormente construídos.

Alguns outros hotéis e pousadas do Penedo funcionam em construções antigas, entre os cerca de 60 que existem atualmente, desde o hotel quatro estrelas até as pousadas mais populares, e que, ao lado do grande número de restaurantes, ateliers de arte e lojas de artesanato, encantam o turista pela variedade de opções. Outras atrações são os tradicionais bailes de fim de semana no Clube Finlândia, e o parque temático e shopping Casa do Papai Noel, que reproduz uma vila finlandesa com suas construções típicas, evocando o Natal, mas com a vantagem de funcionar o ano todo.

Maromba e Maringá – A área turística de Itatiaia na região serrana de Visconde de Mauá é relativamente recente, já que os hotéis mais antigos, remanescentes da colonização européia, especialmente dos alemães, como os Büttner e os Bühler, situam-se na parte pertencente à Resende. Seu crescimento data da década de 60, quando aquela região se notabilizou como ponto de encontro do movimento “hippie”, e que deixou como herança uma estreita identidade com as culturas e terapias alternativas, ficando conhecida como um lugar ideal para quem procura paz e tranqüilidade.

Nem por isso, entretanto, ela é menos densamente povoada, contando com mais de cinqüenta hotéis e pousadas, sem contar os restaurantes, lojinhas de artesanato e outros negócios ligados à atividade turística. Ali também é possível encontrar opções de lazer para todos os gostos e orçamentos, pois vão desde os hotéis de luxo às áreas de camping, que existem em grande quantidade.

Situada nas cercanias do Parque Nacional do Itatiaia, ela se caracteriza por uma natureza exuberante, e pela existência de um grande número de cachoeiras, cascatas e pequenas quedas d’água, que contribuem para oferecer ao visitante uma seqüência aparentemente infinita de paisagens deslumbrantes. Além de Maromba e Maringá, essa área turística inclui também dois locais mais distantes e primitivos, o Vale do Pavão, onde existem seis pousadas, e Santa Clara, conhecida por ter uma das mais belas cachoeiras da região, onde existem outras quatro pousadas.

Célia Borges

4 comentários:

luiz claudio bimestre fortes disse...

Bom dia Dnª Célia !

É verdade que haviam reuniões Nazistas no Hotel Simon?

Carol Leite disse...

Por que o simon foi desapropriado por estar em uma area do parque e os demais nao foram?

luiz claudio bimestre fortes disse...

Boa tarde !

Em 11 de Agosto de 2014 eu fiz uma pergunta sobre reuniões nazistas no Hotél Simon, a título de curiosidade e até agora não tive nenhuma resposta...

CÉLIA BORGES disse...

Luia Cláudio Bimestre Fortes, obrigada por visitar meu blog. Não tenho como responder ao seu comentário, pois você não deixou seu endereço de e.mail para que eu pudesse retornar. Além do mais, sinceramente, não sou a melhor pessoa para responder sobre os episódios nazistas ocorridos em Itatiaia. Estudei bem a história do Hotel e da família Simon, que não tem qualquer ligação com o nazismo, embora o sr. Josef Simon tenha sido preso e o assunto esclarecido. Sobre o nazismo em Itatiaia, existem outras publicações, mas devido ao caráter sensacionalista que lhes foi dado, não me interessaram.