6 de dezembro de 2007

IV - Eu também quero que paguem a minha conta!

Bem que eu queria mudar de assunto!!! Não pensem que me divirto falando de problemas. Ao contrário, gostaria de ter pra comentar coisas maravilhosas e edificantes, que melhorassem o nosso astral. Mas, depois de ser humana, dos signos de Libra e do Gato, a coisa que eu mais sou na vida é jornalista, e então não é à toa que a minha antena já nasceu ligada, e que com o tempo, está cada vez melhor (ou pior, depende do ponto de vista). Assim é que, quando comecei a falar mal das mordomias, quando temos tantos outros assuntos melhores e piores, foi porque senti que essa questão está chegando aos limites suportáveis, e que se não houver qualquer reação urgente, vamos chegar ao limiar das mais assustadoras previsões da ficção, como “1984” e “A Fazenda dos Animais”, de George Orwell, ou o Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. A leitura regular de jornais e revistas, tanto me assusta como me consola. Enquanto estou perdida nas notícias sobre escândalos, corrupção, autoritarismo, falta de vergonha na cara pura e simples, enfim...esse coquetel depressivo diário, volta e meia também me deparo com opiniões de gente inteligente, corajosa e sincera. Como aqueles escritores incríveis, homens e mulheres, que citei na crônica passada. E às vezes também, com páginas de jornalismo investigativo, que literalmente, nos lavam a alma. É o caso da série de reportagens iniciada no dia 18 de novembro, pelo jornal O Globo, sob o título “Sem controle, mordomias se alastram pelos 3 poderes”. Então é isso aí, amigos, enquanto eu escrevo essa crônica, bilhões de reais estão escoando no ralo da irresponsabilidade nacional, o suorzinho nosso de cada dia escorrendo gota a gota para finalidades absolutamente espúrias. Pagar por bolsa-família, bolsa-escola, bolsa-vagabundo, nada disso é do meu agrado, mas pelo menos posso pensar que estou ajudando a alimentar a pessoas que precisam. Mas saber que estou pagando pelo caviar e pelo champagne das digníssimas autoridades, desculpem, isso fere os meus brios. Já “rodou” pela internet, e eu já reenviei para muitos amigos, a lista de despesas “domésticas” do Palácio do Planalto. Também podemos nos informar razoàvelmente sobre o quanto, e porque, ganham tão bem as nossas autoridades. O problema principal é aquilo que não nos deixam ver, e que só descobrimos quando um jornalista “f.d.p”, esse profissional da destruição, sai catando pelas lixeiras do poder, cooptando descontentes, interpretando relatórios, e porque é profissional e não é de ferro, catando um “furo” de reportagem, que melhore o seu currículo e o seu salário. Então, é graças á diversas e miraculosas circunstâncias, que de vez em quando podemos descobrir para onde é que vão os impostos que pagamos, e que correspondem aproximadamente a um terço da nossa renda anual, independentemente de quanto ganhamos. Por que em muitas coisas, o pobre e o assalariado pagam muito mais imposto, inclusive, e relativamente, que banqueiros (donos de banco, por favor) por exemplo... Não vou copiar aqui a matéria de O Globo, porque não é o caso, mas apenas reproduzir a manchete e a chamada: As regalias dos poderes – Elite de 74 mil servidores tem diversas mordomias e ganha cinco vezes mais que a dos EUA. Pronto, amigos...é mole, ou querem mais? É claro que sempre tivemos mania de grandeza, mas já é mais do que hora de analisarmos que temos uma mania de grandeza ao contrário. Acho que disputamos o campeonato de quem paga mais. De quem cobra e exige menos. De quem se conforma com qualquer coisa, e se acomoda pra não se aborrecer. Enquanto isso, a legião de parasitas vai crescendo, nossos esforços encolhendo em resultados positivos pra nossa própria vida. Quem se importa se a grana não dá pra ir ao teatro ou comprar um livro? Quem se importa se não sobrou pra pagar o curso que você tanto queria fazer, e que poderia melhorar tanto a sua vida profissional quanto a sua auto-estima? Quem se importa se você está deprimido, e não tem dinheiro pra fazer a terapia de que você tanto precisa? Sei lá quantas oportunidades são perdidas, quantas carências não são correspondidas, tanta coisa que você queria fazer pelos seus filhos mas não pode. Enquanto isso, você segue pagando o caviar e o champanhe de gente que ganha dez, vinte vezes mais do que você. Se eles podem, eu também gostaria que você pagasse as minhas contas!!! Pelo amor de Deus, não pensem que quero promover uma luta armada, longe disso. Só queria ver as pessoas encararem suas vidas com mais consciência, com mais responsabilidade. Só gostaria de ter companhia para discutir o fato de que a realidade pode ser uma m...., mas pode ser mudada. Porque hoje temos uma arma poderosa nas mãos, através da comunicação. Podemos mandar cartas pra jornais, escrevermos para autoridades, divulgarmos nossas opiniões na internet. Podemos valorizar as ações coletivas através da nossa solidariedade virtual. Acho que não é admissível que nos dias de hoje continuemos a concordar em ser tutelados como escravos. Que “autoridades” pensem que podem fazer o que quiserem, e que depois de tanta evolução tecnológica, econômica e cultural, ainda continuemos nos comportando como gado. Bem, amigos, sigo falando sozinha. Há horas que tenho impressão de nem ser desse planeta, de ter descido, sei lá quando, de uma nave espacial...
Célia Borges

2 comentários:

Caloga disse...

Célia, parabéns!
Legal o teu blog. Gostei. Acho que é isso mesmo. Agora, naquela de 'mostra a sua que eu mostro o meu', veja http_//coisasqueeuvoupensando.blogspot.com
e diga alguma coisa, levando em conta que não sou jornalista e não domino, como você a última flor do Lácio inculta e bela. Sou do visual.
Bjs.
Caloga

Caloga disse...

Errei o endereço, o certo é
http://coisasqueeuvoupensando.blogspot.com
Vá lá ver.